Para uma melhor experiência neste site, utilize um navegador mais moderno. Clique nas opções abaixo para ir à página de download
Indicamos essas 4 opções:

Ok, estou ciente e quero continuar usando um navegador inferior.
Geral

Saúde das gestantes de Criciúma será avaliada pela Unesc

Saúde das gestantes de Criciúma será avaliada pela Unesc
Iniciativa é do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva (PPGSCol). (Fotos: Divulgação)

Entender como está a saúde das gestantes de Criciúma para traçar ações. Este é um dos objetivos do projeto de pesquisa do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva (PPGSCol), da Unesc, iniciado em abril e que deve se estender até dezembro de 2022.

Ao todo, revela um dos coordenadores da iniciativa, professor Antônio Augusto Schäfer, em torno de mil mulheres atendidas pela Atenção Básica da maior cidade do Sul do estado devem passar pelo projeto. Cada uma das mulheres a partir do terceiro trimestre de gestação passará por uma entrevista. “A gravidez é um evento biológico, natural e muito importante para as mulheres, que gera muitas transformações em suas vidas, desde fisiológicas, psíquicas, hormonais e sociais. Muitas vezes, tornando as mulheres mais vulneráveis à ocorrência de alguns transtornos durante a gestação. A nossa intenção é também entender como está a saúde das gestantes de Criciúma, em um sentido amplo. Isso é muito importante, pois possibilita um retorno, um conhecimento de como está a saúde destas mulheres e permite que ações e condutas sejam melhoradas e adotadas na atenção básica”, cita o professor. Saúde das gestantes de Criciúma será avaliada pela Unesc

Além de Schäfer, as professoras Fernanda de Oliveira Meller e Vanessa Iribarrem Avena Miranda também atuam na coordenação do estudo, que conta com nove professores do PPGSCol, da Unesc.

A coleta de dados ocorre nas próprias Unidades de Saúde, exceto em casos que as pacientes não puderem ir ao local. Nestes, a entrevista ocorre a domicílio. “Iremos avaliar diversos aspectos da saúde, como saúde mental, sintomas depressivos, de ansiedade, questões relacionadas à Covid-19, alimentação, atividade física, violência física ou psicológica, entre outras características comportamentais destas mulheres”, pontua Schäfer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *